Mesmo que o governo, via Infraero ou por meio de concessões à iniciativa privada, consiga cumprir o cronograma de obras de ampliação de Viracopos e do terceiro terminal de passageiros em Guarulhos, o ganho de capacidade não será suficiente para acomodar o crescimento da demanda por transporte aéreo em São Paulo.

Estudo da consultoria Bain & Company mostra que, já em 2016, a capacidade estará aquém da demanda. A consultoria estima movimento de 75,6 milhões de passageiros por ano em 2016, enquanto a capacidade projetada é de 68,4 milhões.

“Independentemente dos investimentos previstos para Guarulhos e Campinas, São Paulo precisa de um novo aeroporto na região metropolitana”, diz André Castellini, sócio da Bain.

Nem mesmo o projeto do plano diretor de Campinas, que prevê ampliar a capacidade do aeroporto para 60 milhões a partir de 2025, conseguirá se antecipar à demanda. Para 2022, a previsão é que a demanda em São Paulo passe de 126 milhões.

“Campinas vai atender o interior. A distância do centro de São Paulo inviabiliza Viracopos como alternativa de médio prazo.”

Fonte: Folha