Neste texto não vou falar de Ana Nery, a primeira enfermeira voluntária do Brasil, que quando seus filhos foram para a guerra do Paraguai esta se ofereceu para cuidar dos feridos sendo chamada de “Mãe dos Brasileiros” pelo carinho e dedicação aos que precisaram dos seus cuidados depois da batalha.

 

Não falarei aqui de Frei Damião que dedicou um trabalho de assistência aos leprosos isolados na Ilha de Molocai, no Havaí, onde os doentes não tinham abrigo e nem tratamento e eram simplesmente abandonados para não contagiarem os que estavam sadios. Frei Damião melhorou a vida dos leprosos e por falta de condições acabou ele mesmo atacado pela lepra.

 

Também não vou falar aqui de irmã Dulce, freira brasileira que se destacou em seu trabalho dedicado aos pobres e aos doentes mais carentes na Bahia. Nem tão pouco de Luter King que foi assassinado por lutar pela igualdade entre brancos e negros nos Estados Unidos, onde defendia também a não violência e a fraternidade sem preconceito de raça.

 

Todos esses heróis da resistência que ficaram na história merecem um texto sobre suas façanhas  mesmo não estando mais em nosso meio, mas falarei deles em outra oportunidade.

 

Hoje, em atendimento a mais um pedido de um leitor, via email, vou falar de outro herói da resistência, com a certeza de que este também vai ficar na história, bem como nas nossas mentes.

 

Uma pessoa singular que considero de uma genialidade inconteste e que ainda está em nosso meio. Sua coragem em enfrentar a sentença de morte que para a maioria é o “câncer” jamais foi vista na história da medicina.

 

Já abordei o tema em um dos meus textos, pois também tenho histórico e acredito que ainda existe vida após a doença.

 

O assunto é pertinente pois muitos estudos estão sendo desenvolvidos pela ciência, muitos deles favorável à uma descoberta mais rápida o que facilitaria a sua cura, embora ainda seja muito grande o número de pessoas que morrem acometidas pela doença, principalmente a mulher.

 

Volto a falar do assunto, embora atendendo a um pedido, mas também provocada pelo sentimento  de admiração a este homem que bravamente luta contra a enfermidade.

 

E você meu caro leitor, bem como você que sugeriu o tema irá concordar comigo ao terminar de ler este texto.

 

O quadro de saúde do ex-vice-presidente José Alencar é estável, ele permanece consciente e vem sendo tratado com medicamentos, de acordo com boletim médico divulgado pelo Hospital Sírio-Libanês às 17h36. O boletim, no entanto, não traz informações sobre os exames a que José Alencar vem sendo submetido. (estadão.com.br – Qui, 10 Fev. 06h08)

De acordo com vários meios de comunicação o ex-vice-presidente foi internado ontem na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) apresentando um quadro de peritonite, inflamação da membrana que reveste a cavidade abdominal. O cardiologista Roberto Kalil Filho, que faz parte da equipe que trata de Alencar, evitou entrar em detalhes sobre o estado de saúde do paciente.

Este é mais um capítulo, de tantos outros, da história do protagonista deste texto.

Empresário e político bem sucedido, José de Alencar, aos 77 anos possui um histórico médico muito delicado desde o ano de 2000, quando descobriu e passou a enfrentar um câncer na região do abdomem, tendo passado já por mais de quinze cirurgias, sendo que uma delas durou mais de vinte horas.

Ultimamente este vem se submetendo a tratamento quimioterápico, embora já tenha se submetido a tratamentos experimentais nos Estados Unidos sendo que os resultados foram inconclusivos.

No ano de 2010, devido o seu estado de saúde e repetidas internações decidiu desistir da candidatura ao senado, por entender que seria injusto para com seus eleitores.

Numa das suas entrevistas cedidas ao jornal “O Globo”, este proferiu as seguinte frases: “Estou cansado de descansar”. “A melhor forma de descansar é fazer o que se gosta”. “Trabalho não cansa”.

Em relação às várias mensagens enviadas, bem como às orações para seu restabelecimento este relatou: “Não sou uma pessoa religiosa, mas tenho muita fé em Deus”. “Essas mensagens me dão muita força”. “Tenho segurança de dizer que isso tem me ajudado”. “É uma das razões pelas quais tenho melhorado”.

Talvez seja esta fé que o mantém de pé.

Os adeptos de Cristo, através da Bíblia diriam que esta nos ensina o que é a verdadeira sabedoria.

Diriam que é também a busca da luz que vem do espírito de Deus, e que está em nós.

 

Diriam que somente ele nos ensina e dá-nos poder. Diriam ainda que é a força do pai glorioso que nos deu o seu espírito e que nos faz sábios abrindo as nossas mentes para que possamos ver a luz e conhecer a esperança mostrando quão ricas são as suas bênçãos, assim como o seu poder.

 

O poder de Deus deve estar agindo na vida deste ser que com sua sabedoria e obediência vai a cada dia se superando.

 

Esse poder e essa sabedoria Deus deu também ao homem que usa o bisturi. É como se o seu grande poder fosse orientando, agindo e iluminando o espírito para que este tenha êxito em suas operações, assim este homem vai bravamente lutando com muita força contra essa enfermidade.

 

Considero a eficácia, a garra, a determinação, a força de vontade e, por que não, a ousadia deste valente homem, em continuar vivo a uma incansável força que não sabemos de onde esta vem.

 

Para compreendermos só mesmo tendo muita fé e acreditando que existe um ser supremo que olha por todos nós, ou ainda uma força invisível que alimenta o nosso íntimo, e que esta força está do lado deste homem. Ou ainda, quem sabe  não seja muito amor. Amor a Deus às pessoas que o cercam às atividades que este desenvolve e ou a sua própria vida. Sim! Por que com toda essa garra, disposição e com toda essa coragem, só mesmo um amor bem profundo ou uma receita a qual somente este tem o conhecimento.

 

Recentemente ao ser convidado para receber uma homenagem, este prontamente, liberado pelos médicos, já que se encontrava há alguns dias internado, marcou presença. Em seu breve discurso, afirmou a sua imensa vontade em continuar vivo, embora este já se considere realizado, pela sua trajetória de vida e pelas várias manifestações de carinho, bem como pelas orações da população pelo seu restabelecimento.

 

Tanto faz do ponto de vista religioso quanto do financeiro, em este se tratar nos melhores hospitais nacionais e estrangeiros, o fato é que se trata de uma pessoa forte com muita vontade de viver e uma fé imensa, que faz com que acreditemos no criador que nunca vimos.

 

Que todos os minutos que lhe restam de sua vida sejam de felicidade, pois esta vale muito mais do que mil anos de glória e que seu exemplo seja seguido para que possamos juntos enfrentarmos todas as dificuldades encontradas.

 

Por Luma – Lucineide Maria